Ouvir no iPhone
/ Ouvir no Android

CASAL DE CATAGUASES É PRESO EM MATIPÓ POR ESTELIONATO E FALSIFICAÇÃO DE PRODUTOS AGRÍCOLAS.

CASALA Polícia Militar prendeu, nesta quarta-feira (14), em Matipó, na Zona da Mata Mineira, um casal que residia em Cataguases, suspeitos de estelionatos e falsificação de produtos agrícolas, na região e em outros estados.

Após denúncias, os suspeitos, um rapaz de 26 anos e sua namorada, de 24 anos, foram abordados na agência do Banco Sicoob localizada na Praça Independência, centro, em Matipó, no momento em que tentavam descontar um cheque adulterado. Segundo a PM, o cheque passado para o casal pela venda de produtos falsificados seria de R$ 200 e foi adulterado para R$ 3.200. A vítima, um idoso de 79 anos, residente na zona rural de Abre Campo, havia comprado os produtos no dia 12 de agosto, mas ao perceber que eram falsificados, sustou o cheque e registrou a ocorrência.

Após busca pessoal foi localizado outros cheques com o suspeito, totalizando 21 cheques preenchidos com valores diversos, a maioria deles no valor de R$ 200,00. Também foi encontrada, em uma bolsa, a quantia de R$ 35.169,10 em dinheiro, que também foi apreendida.

O casal estava temporariamente em uma casa alugada na cidade de Abre Campo. A casa foi vistoriada, sendo localizado blocos de notas fiscais “frias”, diversos rótulos adesivos para falsificação de fertilizantes líquidos, contabilidades de venda dos produtos falsificados, crachás falsificados de engenheiro agrônomo, com nome e foto do suspeito, uniformes com a inscrição “técnico em agropecuária”, além de galões com produtos falsificados.

Os policiais também contactaram a empresa proprietária da marca de fertilizantes “Absoluta Fertilizantes”, que informou que o suspeito já havia praticado o mesmo delito também nos estados do Rio de Janeiro e Espírito Santo, estimando os prejuízos da firma e de proprietários rurais, vítimas do estelionato, em mais de R$ 1 milhão.

Ainda conforme a PM, a jovem, namorada do suspeito, o acompanha na prática de delitos, tendo a vítima relatado que ela esteve em sua residência, se passando por engenheira agrônoma e dizia que os produtos falsificados eram bons e originais.

Na ação, os policiais também apreenderam uma caminhonete S10, placas de Cardoso Moreira/RJ e uma máquina para operações com cartão de crédito que estava no interior do veículo.

Todo material apreendido e os suspeitos foram encaminhados para a Delegacia de Polícia Civil para as demais providências.

Fonte: Mídia Mineira.

FALECEU JOÃO CÉLIO DE MORAES, DE MIRADOURO.

luto-rosa-brancaA família Guedes de Moraes cumpre o doloroso dever de comunicar o falecimento de João Celio de Moraes , e convidam parentes e amigos para o seu sepultamento

O corpo esta sendo velado na Capela Da PAX José SCHITTINI, de onde sairá nesta sexta-feira as 16:00 h para o cemiterio municipal de Miradouro.

Noticiamos com pesar o falecimento de João Celio de Moraes, filho de Jorge Guedes e Maria Valente Guedes.

Informou o Plano Pax Jose SCHITTINI.nota da pax

MOVIMENTOS E ORGANIZAÇÕES SE UNEM POR TERRITÓRIOS LIVRES DE MINERAÇÃO E LANÇAM CARTA ABERTA.

IMG-20190815-WA0066 IMG-20190815-WA0065Dezenas de movimentos e organizações lançaram, nesta quinta-feira (15), a “Carta de Murié”. O documento denuncia o modelo predatório de exploração mineral, e defende o direito das comunidades de dizer não à exploração de seus territórios. A carta é produto das discussões dos quatro dias do Seminário Nacional “Diferentes Formas de Dizer Não: experiências de proibição, resistência e restrição à mineração”, realizado na cidade mineira.

A Carta de Muriaé relembra os desastres ocorridos em Mariana e Brumadinho, e aponta que é necessário “construir lutas e pautas conjuntas rumo a uma transformação estrutural do modelo mineral brasileiro”. Para tanto, o documento frisa a necessidade de questionar as bases de produção e consumo que sustentam a cadeia minerária, “movida à violência e violação de direitos”.

O direito de dizer não à exploração minerária traz benefícios que se estendem para muito além das fronteiras físicas e geracionais de cada território ou comunidade, defende a Carta de Muriaé. O documento destaca que barrar a atuação das mineradoras significa abrir espaço para múltiplas potências e alternativas de produção e diversidade sociocultural”, garantindo “água, alimento, terra, território e florestas que geram benefícios para além das fronteiras territoriais das comunidades e sujeitos que produzem e preservam esses bens comuns”. Isto significa romper com a dependência econômica que a mineração impõe aos municípios minerados, optando por atividades econômicas que sejam socialmente justas e ambientalmente sustentáveis, “como a agricultura familiar, a agroecologia, o turismo de base comunitária e ecológica, o agroextrativismo e os modos tradicionais de trabalhar, produzir e viver dos povos e comunidades, capazes de garantir a Soberania e Segurança Alimentar”.
O documento também afirma a necessidade de pautar este processo a partir dos esforços e acúmulos das comunidades violadas. “Elas carregam histórias de organização e de conhecimentos ancestrais, de práticas milenares ou inventivas de produção e organização social que não são apenas alternativos à mineração, mas sobretudo vinculadas e comprometidas com a vida”, sustenta a Carta. É esta perspectiva que torna possível o enfrentamento a múltiplas injustiças que decorrem do modelo de exploração mineral, como o racismo, o etnocentrismo, o machismo e o patriarcado, impactando comunidades negras, indígenas, camponesas, pescadores e pescadoras e outros povos tradicionais.

Contra o Amianto

Movimentos e organizações presentes no seminário também aprovaram uma moção de repúdio à Lei nº. 20.514 de 16/7/2019, sancionada pelo governador do Estado de Goiás, Ronaldo Ramos Caiado, que autoriza para “fins exclusivos de exportação, a extração e o beneficiamento do amianto da variedade crisotila”. O documento afirma que a lei afronta diretamente a decisão do Supremo Tribunal Federal, que baniu a exploração, comercialização e utilização de qualquer tipo de amianto em todo o território nacional.
Diferentes formas de dizer não

O Seminário Nacional “Diferentes Formas de Dizer Não: experiências de proibição, resistência e restrição à mineração” foi realizado entre os dias 12 e 15 de Agosto na cidade de Muriaé, Minas Gerais. Durante os quatro dias, organizações e movimentos de 15 estados brasileiros discutiram outros modelos de desenvolvimento e formas de enfrentamento aos projetos predatórios de mineração.

As atividades do seminário incluíram um intercâmbio de experiências com as comunidades de Belisário, Miradouro e Rosário da Limeira, na Serra do Brigadeiro. Ali foi possível conhecer a luta das comunidades contra a imposição dos projetos de extração mineral, e traçar paralelos entre as ameaças e lutas travadas em diferentes localidades pelo país. Movimentos e organizações divulgaram também uma carta de apoio à Serra do Brigadeiro, para que seja reconhecida como um território livre de mineração.IMG-20190815-WA0064 IMG-20190815-WA0062 IMG-20190815-WA0059 IMG-20190815-WA0060 IMG-20190815-WA0061 IMG-20190815-WA0056 IMG-20190815-WA0057 IMG-20190815-WA0058 IMG-20190815-WA0055 IMG-20190815-WA0054

PRF EMITE NOTA SOBRE SUSPENSÃO DO USO DE EQUIPAMENTOS MEDIDORES ESTÁTICOS, MÓVEIS E PORTÁTEIS.

RADAR01Brasília/DF, 15 de agosto de 2019 – Em cumprimento aos despachos do senhor Presidente da República, publicados no Diário Oficial da União de 15 de agosto de 2019, Seção 1, página 5, a direção-geral da Polícia Rodoviária Federal (PRF) expediu decisão administrativa na qual determina a todos os gestores e servidores da PRF que adotem as providências necessárias para o imediato cumprimento da decisão Presidencial, devendo ser sobrestado o uso e recolhidos os equipamentos medidores de velocidade estáticos, móveis e portáteis até que o Ministério da Infraestrutura conclua a reavaliação da regulamentação dos procedimentos de fiscalização eletrônica de velocidade em vias públicas.

A decisão também determina que sejam revogados os atos administrativos internos que dispõem sobre a atividade de fiscalização eletrônica de velocidade em rodovias e estradas federais bem como que sejam adotadas as providências para a proposição de nova regulamentação, em paralelo e aderente à futura regulamentação do tema pelo Ministério da Infraestrutura, nos termos determinados pelos Despachos do Senhor Presidente da República.

Ainda, foi determinado que sejam priorizadas as medidas de revisão dos normativos internos que dispõem sobre a atividade de fiscalização de trânsito pela PRF, para apreciação da conveniência e oportunidade da modernização dos seus dispositivos, primando pela simplificação, desburocratização e consolidação por temática, contemplando instrumentos aptos a fomentar o caráter pedagógico e a otimizar a eficiência das ações para incremento da segurança viária.

POLÍCIA MILITAR REALIZA “OPERAÇÃO REFINO III” EM COMBATE AO TRÁFICO DE DROGAS EM CARANGOLA.

pm operação caran golaNa manhã de hoje (15), a Polícia Militar de Carangola, realizou a segunda fase da “OPERAÇÃO REFINO 3”.

Foi realizado cumprimento de mandado de busca e apreensão, na residência de um indivíduo pela manhã do dia.

Denúncias dão conta que o autor realiza venda de cocaína e maconha nas proximidades de duas escolas no bairro Santo Onofre.

O autor é suspeito também de “aliciar” menores de idade, colocando estes como pequenos vendedores do entorpecente na porta das escolas.

Durante as diligências da operação três autores do sexo masculino com 20, 24 e 32 anos foram presos materiais apreendidos:
* 09 buchas de maconha / prontas para a venda.
*03 papelotes de cocaína
*01 barra de maconha
*01 balança de precisão
*04 celulares
*R$ 2.456,00 em dinheiro.

Todo o material juntamente com os indivíduos foram encaminhados para a Delegacia para as demais providências.

EM “OPERAÇÃO FRAUDATOR” POLÍCIA CIVIL DE MURIAÉ INVESTIGA FRAUDES NO COMERCIO.

Fraudator 1Polícia Civil de Minas Gerais investiga, em Muriaé, a prática de apropriação indébita e de possíveis fraudes no comércio.

Na quarta-feira (14), durante a operação denominada “Operação Fraudator”, policiais civis deram cumprimento a três mandados de busca e apreensão em residências e em um estabelecimento comercial que resultaram na apreensão de bolsas, dinheiro, equipamentos eletrônicos, entre outros objetivos.

Na última semana, os policiais civis localizaram um container refrigerado, em um clube recreativo, na Zona Rural da cidade.

Investigações apontam que suspeitos da prática de apropriação indébita do container também estariam envolvidos em fraudes no comércio da cidade.

A ação ocorreu após dois meses de investigações da Delegacia de
Defraudações de Muriaé, por intermédio do Delegado Titular Fábio Correia do Nascimento e equipe , e com apoio de investigadores de outras unidades da 4ª Delegacia Regional de Muriaé. “Tais diligências ensejaram na primeira fase da denominada ‘Operação Fraudator’, que teve como nascedouro a notícia da prática, em tese, da apropriação indébita de um container refrigerado, de vinte pés, de valor comercial aproximado de R$25.000, oriundo de uma locação realizada na cidade de Itaperuna, Rio de Janeiro, transportado para Muriaé e não mais devolvido ao proprietário”, explicou a autoridade policial, informando que, nos cumprimentos dos mandados de ontem, foram recolhidos equipamentos eletrônicos, documentos e dinheiro para averiguações.

Ainda segundo o Delegado, a Polícia Civil investiga a participação de três pessoas no caso. As diligências seguem em andamento.Fraudator 4 Fraudator 2

FILHO AGRIDE MÃE DE 80 ANOS E É PRESO PELA POLÍCIA. AGRESSÕES ERAM CONSTANTES.

MONSTROVizinhos e a própria vítima denunciaram à Polícia Militar as agressões que uma senhora de 80 anos de idade vinha sofrendo do seu próprio filho, cuja idade não foi divulgada. O fato se repetia com frequência na residência dela, no Bairro Pouso Alegre, em Cataguases, conforme relataram as testemunhas.

D.O.M. que também reside no mesmo bairro, e tem passagens pela Polícia por ameaça e agressão, discutiu com a mãe no começo da noite desta quarta-feira, 14 de agosto, e num determinado momento, conforme a própria vítima relatou, ele a agrediu com empurrões no peito.

A PM foi chamada e uma guarnição composta pelo sargento Carlos Vicente e o cabo Bastos foi até o local e, ao chegarem, o autor tentou fugir, mas foi localizado e preso em flagrante delito. Ele foi levado para a Delegacia Regional de Polícia Civil em Leopoldina onde prestou depoimento e foram tomadas as devidas providências. Sua mãe foi submetida a exame médico e liberada em seguida.

Fonte: Marcelo Lopes.